• Publicidade

Saiba o que é, as causas e os sintomas da vertigem

Se você procurar pela palavra “vertigem” no dicionário irá encontrar uma compreensão generalizada de que é uma sensação de tontura que nos ocorre quando estamos a grandes alturas, geralmente quando olhamos em direção ao chão. Esse desconforto nas alturas pode até ser normal, porém essa não é a real definição de vertigem.

O que é Vertigem?

Nos termos médicos, a vertigem é um tipo específico de tontura no qual se tem a sensação de que você ou o ambiente está se movendo ou girando, mesmo que não haja movimento. Portanto, vertigem não significa medo de altura como muito se pensa, o termo acrofobia é o que deve ser utilizado nesse caso.

“Médicos especializados em vertigem reduziram a definição do problema o classificando por suas causas e seu por seu tipo de sensação”.

A vertigem, desse modo, não é associada ao termo médico “pré-síncope”, que é na verdade uma sensação de quase desmaio, normalmente resultado da baixa pressão arterial. O desequilíbrio comumente observado em pessoas mais velhas também não está relacionado à vertigem, já que as causas desse geralmente se devem a uma instabilidade devido à fraqueza.

O que causa a vertigem?

A tontura rotacional que define a vertigem é provocada por causas relacionadas aos órgãos de equilíbrio do ouvido interno, a partes do cérebro ou às vias nervosas sensoriais.

Vertigem periférica

A Vertigem periférica é o termo que reúne as causas relacionadas ao ouvido interno. O labirinto do ouvido interno possui minúsculos órgãos que permitem que as mensagens sejam enviadas ao cérebro em resposta à gravidade. Ao dizer aos nossos cérebros quando há movimento a partir da nossa posição vertical, somos capazes de manter o equilíbrio.

Um distúrbio nesse sistema pode ocasionar em vertigem, geralmente sendo motivada por algum tipo de inflamação (viral ou bacteriana), dentre as quais:

  • Labirintite (Inflamação no labirinto do ouvido interno e no nervo responsável por “codificar” o movimento e a posição do corpo);
  • Neuronite vestibular (Inflamação no nervo dos canais semicirculares, responsável por ajudar a controlar o equilíbrio);
  • Doença de Ménière (Inflamação devido ao aumento da pressão da endolinfa, um líquido presente no labirinto do ouvido interno).

Vertigem central

A Vertigem central é um termo que reúne em conjunto as causas do sistema nervoso central. Esse tipo de vertigem envolve uma perturbação nas partes do cérebro que são responsáveis pela interação entre os sentidos da visão e o equilíbrio.

As enxaquecas também estão relacionadas à vertigem central, sendo inclusive a causa mais comum. Estima-se que 40% dos pacientes com enxaqueca apresentam, vez ou outra, algum grau de vertigem, geralmente uma leve tontura.

Sintomas da Vertigem

Diferente de uma condição médica que apresenta sinais e sintomas, a vertigem é em si, um único sintoma. Vertigem é simplesmente um tipo específico de tontura, produzindo a sensação de que seu ambiente está girando.

Dependendo de qual for a causa da vertigem, outros sintomas podem aparecer, incluindo:

  • Perda auditiva;
  • Zumbido;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Sensação de plenitude no ouvido.

Diagnóstico

Especialistas em tonturas descobriram por meio de pesquisas que a pergunta “você só se sentiu tonto, ou viu o ambiente girar como se tivesse girado ao redor do seu próprio eixo?” ajuda a distinguir a vertigem de outros tipos de tontura.

Os médicos também irão perguntar sobre outros possíveis sintomas, tais como perda de audição, zumbido, náuseas e vômitos. Esses são sintomas separados da vertigem, mas podem ser úteis para determinar a sua causa. Outras questões que os médicos podem explorar são:

  • Histórico familiar de enxaqueca;
  • Histórico familiar da doença de Ménière;
  • Se houve alguma infecção recente no ouvido;
  • Se houve algum trauma recente na cabeça.

A análise do histórico familiar procura especificar:

  • Quando aconteceu pela primeira vez e o porquê;
  • Com que frequência ocorre e qual a duração média;
  • Se afeta as atividades do dia a dia (se é possível caminhar durante um episódio ou não);
  • Se há algo que reduz o desconforto.

Os exames físicos podem incluir uma observação do ouvido interno ou um teste de movimentação. O uso de scanners também é uma forma de diagnosticar o que pode estar causando a vertigem, geralmente através de ressonância magnética ou de tomografia computadorizada.

Tratamento

O tratamento da vertigem vai depender basicamente de sua causa e de sua gravidade. Ao ter um episódio de vertigem, deite-se em um quarto quieto e escurecido, isso pode reduzir a tontura e a sensação de desconforto. Uma dica é tentar evitar as situações de estresse que lhe deixam ansioso, se isso ocorrer talvez seja necessário o uso de medicamentos.

Labirintite

A labirintite é uma infecção no ouvido interno que faz com que o labirinto (uma estrutura delicada dentro de sua orelha) inflame. É geralmente causada por uma infecção viral e desaparece por conta própria sem tratamento. Em casos onde a labirintite é causada por uma infecção bacteriana, antibióticos podem ser prescritos.

Neuronite vestibular

A Neuronite vestibular é uma inflamação no nervo vestibular (nervo do ouvido interno responsável pelo equilíbrio), geralmente causada por uma infecção viral. Os sintomas da neuronite vestibular geralmente melhoram ao longo dos dias sem a necessidade de tratamento.

Doença de Ménière

Se a sua vertigem é causada pela doença de Ménière, há algumas opções de tratamento, dentre os quais:

  • Medicamentos específicos;
  • Terapias de som para reduzir os zumbidos;
  • Aparelhos auditivos (no caso de perda da audição)

Enfim, muita confusão se fazia em relação ao conceito de vertigem, tontura e labirintite. Esclarecendo melhor então: a vertigem é um tipo de tontura e a labirintite é uma das causas da vertigem.

O artigo foi útil para você? Curta, compartilhe!

Leia também:
Veja as causas da enxaqueca, principais sintomas e tratamento
AVC: Acidente Vascular Cerebral
PRESSÃO ARTERIAL: hipertensão, pressão alta, hipotensão, pressão baixa
Tonturas e Labirintite
Tonturas podem ser sinal de alerta para doenças graves

Sobre Galdino

Paixão por saúde e qualidade de vida. Desde 2013 buscando informações sobre a melhor maneira de se viver com mais saúde e melhor qualidade de vida. Mantenho alguns blogs com o objetivo principal de passar adiante as informações e o conhecimento que tenho adquirido ao longo desse tempo. Durante esses anos tenho "corrido" atrás de conteúdos relevantes que, de alguma forma possa me ajudar e ajudar outras pessoas a viver com mais qualidade de vida. Ps. Tenho 47 anos, sou goiano, evangélico, solteiro e tenho um filho de 13 anos, motivo do meu orgulho e alegria. Sou apaixonado séries e filmes de ação. Adoraria aprender tudo sobre fotografia.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe seu comentário

  • Publicidade